• administrativo@centraldoshospitais.com.br
    • (31) 3326-8001

Projeto “Você Sabia?” Nº 20

Data:

Uma parceria entre a Central dos Hospitais e a MADGAV – Advogados Associados, para sanar dúvidas recorrentes sobre temas de importância para o setor saúde.

Leia mais...

Fundação São Francisco Xavier abre inscrições para Residência Médica 2021

Data:

Cadastro pode ser feito de 6 a 20 de outubro para o Hospital Márcio Cunha (HMC), em Ipatinga (MG) e Hospital Municipal Carlos Chagas (HMCC), em Itabira (MG)

A Fundação São Francisco Xavier (FSFX) informa que receberá inscrições para Residência Médica 2021 do Hospital Márcio Cunha (HMC), em Ipatinga (MG) e Hospital Municipal Carlos Chagas (HMCC), em Itabira (MG) no período de 6 a 20 de outubro. São 15 especialidades para residência no HMC, entre elas, anestesiologia, cardiologia clínica, cirurgia geral, clínica médica, ginecologia e obstetrícia (Veja abaixo a lista completa das especialidades disponíveis) totalizando 42 (quarenta e duas) vagas.

Para o HMCC, são três especialidades, clínica médica, pré-requisito em cirurgia área básica e medicina intensiva, totalizando 6 (seis) vagas. Dados da Coordenação de Ensino e Pesquisa da Fundação São Francisco Xavier (FSFX) mostram que, no ano de 2019, as quatro especialidades mais procuradas foram: anestesiologia, cirurgia geral, clínica médica e pediatria.

O HMC é, há 10 anos, referência no Brasil pela formação de ponta que oferece aos seus médicos residentes. Acadêmicos vindos de vários Estados do país, principalmente do Nordeste, fazem parte da história do hospital. O programa de residência dos hospitais tem como objetivo fundamental o aperfeiçoamento progressivo do padrão profissional e científico do médico e a melhoria da assistência à comunidade. Além de profissionais capacitados para atender nas mais diversas áreas da medicina.

“A residência médica é uma etapa fundamental na formação do médico. É o período em que, supervisionado, o médico residente aprofunda seus conhecimentos teóricos e práticos na especialidade de interesse. A FSFX compreende a importância desse momento, valorizando os programas de residência médica e buscando o aprimoramento contínuo dos mesmos.  O objetivo é a à formação de especialistas que vão prestar um serviço de qualidade à sociedade.”, afirma Milton Henriques Guimarães Junior, Coordenador do Ensino e Pesquisa da FSFX.

Com duração de dois a quatro anos, o programa é credenciado pela Comissão Nacional de Residência Médica do Ministério da Educação (CNRM/MEC). Realizada pela Associação de Apoio a Residência Médica de Minas Gerais (Aremg). As inscrições para a seleção podem ser feitas entre os dias 06 e 20/10/2020, pelo site www.aremg.org.br.

O edital completo está disponível no site www.fsfx.com.br.

Leia mais...

Fisioterapia da Casa Unimed Gov. Valadares reabilita pacientes que venceram a COVID-19

Data:

A Fisioterapia é fundamental para o tratamento de pacientes com COVID-19 e que derrotaram a doença. A atuação do Fisioterapeuta evita complicações cardiorrespiratórias. Também contribui para recuperar a capacidade pulmonar e motora de quem já se curou do vírus. A Clínica de Fisioterapia Casa Unimed oferece aos clientes o atendimento Pós-COVID.

A Jornalista e Publicitária, Valéria Alves (45), internada com o novo coronavírus por cinco dias no Hospital Unimed Gov. Valadares, é prova que cuidados fisioterapêuticos melhoram a qualidade de vida após a alta hospitalar. Valéria venceu a SARS-CoV-2 em 02 de agosto. A beneficiária não perdeu tempo e procurou a Casa Unimed.

Após encaminhamento do Médico Cooperado Otorrinolaringologista Dr. Rodrigo Morais, Valéria já melhora a capacidade respiratória. A Fisioterapeuta Ludmila Miranda acompanha as sessões. Segundo Ludmila, é comum pacientes apresentarem sintomas como fadiga, cansaço e falta de ar.

“Pacientes que apresentarem sintomas respiratórios por COVID-19 devem ser avaliados por um Médico após o período de infecção. Caso apresente alterações ou sintomas pulmonares que inicie a fisioterapia respiratória. O tratamento será individual, respeitando cada cliente. O foco é a retomada da vida, sem dificuldade”, disse.

Atendimento

Valéria Alves mora com a mãe, que é cardíaca e hipertensa, e com o irmão, que teve a doença. Acabou sendo infectada. Foi um drama familiar. O irmão recebeu alta da UTI no dia 01 de agosto e Valéria um dia depois no Hospital Unimed.

“Minha mãe teve dois filhos internados. Vencemos, mas não nos livramos da COVID-19. As sequelas são tradução disso. Me senti cansada. A Fisioterapia foi indicada e a Casa Unimed é referência. Melhorei a respiração e já consigo até correr. Estou na décima sessão e vou fazer mais”, expressou.

A Fisioterapia Pós-COVID-19 na Casa Unimed acontece às segundas, quartas e sextas, de 07h às 13h. Usuários do Plano de Saúde Unimed devem realizar agendamento até às 12h. Informações: (33) 3203-0128.

Leia mais...

Presidente da FBH expõe preocupações do setor hospitalar com a aplicação da nova legislação de Proteção de Dados

Data:

O presidente da Federação Brasileira de Hospitais (FBH), Adelvânio Francisco Morato, manifestou nesta segunda-feira, 14, as preocupações do setor hospitalar com as adequações que serão necessárias para implementação da nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Durante o encontro virtual, promovido pela Entidade, Morato lembrou que cerca de 70% da rede hospitalar brasileira é composta de estabelecimentos de pequeno e médio portes, e que muitos desses estabelecimentos sequer conseguiram iniciar o processo de informatização de sua base de dados.

“Estamos falando de centenas de estabelecimentos que não conseguem disponibilizar assentos adequados para seus pacientes, quem dirá sistema de informação digitalizado. A grande preocupação é como esses estabelecimentos vão se adequar à nova Legislação, como se dará a sua aplicabilidade. Nós não temos dúvidas da importância e necessidade da LGPD, porém estamos preocupados com os impactos que essas novas exigências trarão para o funcionamento do setor. Será preciso investir em tecnologias? treinamentos?”, disse o presidente da FBH.

De acordo com ele, qualquer medida que gere custos, neste momento, só vai piorar a situação dos estabelecimentos, que ainda tentam se recuperar dos reflexos da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. Em muitos hospitais, a queda na receita, em decorrência da suspensão de procedimentos eletivos, chegou a ser de 30%. “A preocupação recai, principalmente, sobre as sanções previstas para os hospitais que não se adequarem às novas exigências até agosto do próximo ano, que é o prazo estabelecido. Acredito que será preciso mais tempo, o setor também precisa ser ouvido”, complementou Morato.

DEBATE

O encontro promovido pela FBH contou com as participações dos deputados federais, Orlando Silva (PCdoB), Pedro Westphalen (PP/RS) e Luiz Antônio Teixeira Júnior (PP/RJ), além do advogado Lucas Paglia, especialista em Gerenciamento, Mitigação e Mapeamento de crises.

Ao realizar uma breve contextualização sobre a criação da LGPD, o relator do Projeto, deputado Orlando Silva, lembrou que ao ser apresentado, em 2016, o texto já vinha sendo debatido e construído há mais de 10 anos, com a realização de audiências públicas. Ele também ressaltou que a nova legislação possui caráter conceitual e principiológico, que é uma forma de se adaptar à velocidade e dinamismo com que se transforma o mundo digital. “Isso acaba conferindo mais peso à atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD)”, disse.

O deputado Pedro Westphalen, autor da Emenda que possibilitou a postergação dos prazos para que a LGPD entrasse em vigor somente em agosto de 2021, também manifestou preocupação com a regulamentação da ANPD e as dificuldades para que os hospitais se adequem às novas exigências. Segundo ele, ainda falta clareza sobre como vai atuar a Autoridade Nacional. Outro aspecto destacado pelo parlamentar é que o país apresenta disparidades regionais gritantes. “Temos vários brasis dentro do Brasil e vários tipos de instituições, em diferentes condições de funcionamento”, disse.

Para assistir ao vídeo completo do encontro clique aqui!

Leia mais...

Portaria do Ministério da Economia confirma o adiamento do início das próximas fases do eSocial

Data:

A implantação das novas fases do e-Social foi suspensa por prazo indeterminado, conforme determinação da Receita Federal do Brasil e da Secretaria de Previdência e Trabalho.

A nota conjunta foi publicada no dia 04/09/2020, no Diário Oficial da União e suspende a implantação das novas fases do e-Social, impactando diretamente empresas do Grupo 3 e as demais empresas que estariam prontas para enviar os dados de SST (Saúde e Segurança do Trabalho).

As empresas pertencentes ao 3º grupo de obrigados (empregador optante pelo Simples Nacional, produtor rural PF, entidades sem fins lucrativos e empregador pessoa física – exceto doméstico) iniciariam o envio dos eventos periódicos (folhas de pagamento) a partir de setembro deste ano, conforme calendário atual. Além delas, os órgãos públicos federais e as organizações internacionais (grupo 4) também começariam a fase 1 em setembro.

O adiamento também abrange os eventos de Segurança e Saúde do Trabalhador – SST, previstos para iniciarem em setembro para as empresas do 1º grupo de obrigados (empresas com faturamento anual superior a R$ 78 milhões).

As novas datas de início das próximas fases serão divulgadas no Portal, assim que forem definidas pelos entes que compõem o e-Social.

FASES EM CURSO

A transmissão de eventos para o e-Social continua normalmente para todos os empregadores já obrigados, de acordo com as fases em que se encontram. Isso vale, também, para os empregadores domésticos. Ou seja, o calendário atual continua válido. Apenas as novas fases que iniciariam agora em setembro, além dos grupos que ainda não estavam obrigados ao e-Social foram adiadas.

Fontes:
gov.com/e-social
Gropen Advocacia

Leia mais...

Webinar da FBH sobre diretrizes e aplicabilidade da LGPD no setor hospitalar

Data:

A Federação Brasileira de Hospitais (FBH), promove, nesta segunda-feira, 14, o encontro digital “Novas diretrizes e aplicação da Lei Geral de proteção de Dados (LGPD) para o Setor Hospitalar”. A webinar será transmitida ao vivo, a partir das 19h.

O objetivo do debate é apresentar aspectos gerais da implementação da nova Legislação, sua importância e os seus principais reflexos na cadeia produtiva dos serviços, em especial no setor saúde.

O evento conta com as participações do deputado Federal e relator da LGPD, Orlando Silva (PCdoB/SP); do deputado Federal e presidente da Comissão Externa de Enfrentamento ao Coronavírus, Luiz Antônio Teixeira Júnior (PP/RJ); do deputado Federal Pedro Westphalen (PP/RS); do advogado especialista em Gerenciamento, Mitigação e Mapeamento de Risco, Lucas Paglia; além do presidente da FBH, Adelvânio Francisco Morato.

Cadastre-se:  https://eventossaude.com.br/fbh-14-09/

Leia mais...